Muitos imaginam que para ser um líder é necessário talento e traquejo de como inspirar e motivar as pessoas. De certa forma, este é um pensamento – quase – verdadeiro. Visto que para liderar você precisa antes, motivar e inspirar as pessoas de forma que acreditem em você. 

Se procurar na internet por como se tornar um líder, é provável que encontre uma série de dicas que se seguidas lhe levarão ao sucesso garantido. Exemplos, não faltam. Títulos do tipo x passos para ser um líder, ou passo a passo para ser um bom líder e etc, são alguns exemplos.

5 Passos para ser um líder de sucesso 

15 atitudes para ser um líder de sucesso

Como ser um bom líder em 8 passos

Mas será o bastante seguir estes passos para alcançar o sucesso como líder? 

Apesar dos textos serem bons, chamativos e de impacto, muitos não mostram objetividade em como tornar-se um líder. Isso limita o leitor a um pensamento subjetivo, o que pode ser um problema visto que cada um pensa de uma maneira. Veja bem, ser um líder não requer talento nato, basta entender de maneira clara como podemos inspirar e motivar as pessoas dentro do ambiente de trabalho, e isso pode ser feito de maneira objetiva, ou seja, podemos aplicar técnicas para nos ajudar a sermos um líder. 

Impacto da liderança visionária na equipe

Um líder precisa entender quais são as principais características que o separam do restante do time. Abaixo listo 3 itens que são considerados necessários para um bom líder. 

  •  Criação e comunicação da Visão
  • Estruturação do Time (Regras, responsabilidades, interdependência)
  • Mostrar consideração aos membros do time individualmente

Vamos começar pela criação e comunicação da visão. O líder, primeiramente, precisa entender a visão, e para isso ele precisa desenvolvê-la. Para desenvolver a visão, antes, é necessário responder a 3 perguntas.

  • Why do we do what we do? (Por que fazemos o que fazemos?)
  • What does success look like? (Como é o sucesso?)
  • How must we act to ensure success? (Como devemos agir para garantir o sucesso?)

Eu poderia escrever uma série de maneiras que a visão pode ser preenchida, porém acredito que mostrar um vídeo seria uma melhor maneira. No vídeo abaixo, Steve Jobs fala sobre estes três itens de maneira muito inteligente e sutil. 

A partir do segundo minuto ele começa a falar sobre a visão de maneira bastante cativa. Que implicitamente, motiva os colaboradores.

Você conseguiu enxergar isso? O que achou das palavras dele?

Talvez, você já tenha ouvido o famoso discurso de Martin Luther King Jr, I Have a Dream ….“. Neste discurso, é possível ver sua visão e como ele conseguiu cativar seu público. Lendo o texto você consegue entender o sentimento que o tornou líder.

Desenvolvendo a visão para o seu time

Está é mais uma daquelas coisas que não é fácil explicar. Como eu passo para meus colaboradores minha visão? 

Esse é um daqueles momentos que nos sentimos prestes a cair em uma armadilha. Por isso, achei mais simples mostrar um vídeo de Steve Ballmer, mostrando a visão para seus colaboradores. 

Foi ou não foi um bom motivador? O que acharam?

Linguagem verbal e não verbal

Uma das principais características de um bom líder, é saber usar a linguagem verbal, e principalmente a linguagem não verbal. E acreditem ou não, nossa linguagem não verbal nos diz muito sobre nós.

Aqui listo algumas estratégias que podem ser usadas para ajudar na sua liderança.

  • Não grite ou fale muito alto – Um líder que grita ou fala muito alto para ter a atenção, não é um líder é apenas um chefe que se sente poderoso ao gritar.
  • Varie sua entonação, volume e tom da sua voz – Saiba usar a entonação para enfatizar frases de impacto.
  • Sorria sinceramente – Um sorria sincero contagia qualquer pessoa.
  • Manter uma postura corporal aberta – Quando você se posiciona de maneira aberta seu psicológico aumenta a testosterona (mais energia) e diminui o cortisol (menos estresse).
Postura corporal aberta
Níveis de Testosterona e Cortisol para posturas abertas (High Power)

Definindo objetivos e expectativas

Este ao meu ver, é o ponto mais delicado. Pois, como trabalhamos com pessoas, cada uma delas tem seus desejos e necessidades. E por isso, é difícil ter uma regra geral que se encaixe para todo mundo. Porém existem padrões e modelos que podem nos ajudar nessa parte.

Um modelo muito usado pelas grandes empresas é o S.M.A.R.T., nele basicamente você precisa encaixar o objetivo em 5 partes.

  • Specific  – Uma ação de melhoria para a area.
  • Measurable – Indicador de progresso para o objetivo.
  • Agreed-upon – Objetivo deve ser aceito pelo time.
  • Reasonable –  Indique resultados realistas que podem ser alcançados.
  • Time-bound – Defina um prazo que possa ser alcançado.

Lembre-se que os objetivos devem oferecer meios de serem concluídos, para gerar motivação. Quando o objetivo é aceito pelo colaborador não importa o grau de dificuldade do objetivo, a performance tende a padronizar.

Quando o objetivo é aceito pelo colaborador/time

Quando o objetivo é aceito pelo colaborador/time, não importa o grau de dificuldade, a performance ficará estável, sempre acima do nível de controle.

Quando o objetivo não é aceito pelo colaborador/time

Quando o objetivo não é aceito pelo colaborador/time, a performance tende a cair conforme o objetivo vai ficando mais complexo.

Limitações quando usamos o SMART

Quando trabalhamos com algum modelo, sempre devemos ficar atentos as suas limitações, e com o SMART não é diferente. Existem alguns problemas que podem ocorrer quando um objetivo é agressivo demais para o colaborador/time.

  • Práticas anti-éticas ou imprudência – Para chegar ao objetivo alguns colaboradores podem burlar regras ou etapas. Pois a agressividade do objetivo os leva a isso.
Práticas anti-éticas e imprudência
  • Desmotivação do time – O time pode perder a sintonia devido a discrepâncias entre os colaboradores. Principalmente se houver diferenças entre o objetivos e as recompensas que cada um recebe no final.
  • Conflitos entre objetivos discretos – Objetivos cruzados podem levar a brigas internas entre times e colaboradores.

Ex.: Time de Marketing precisa diminuir custos com anúncios, enquanto o time de Vendas precisa aumentar suas vendas. Isso gera uma briga interna, pois para os vendedores venderem mais é necessário aumentar o número de anúncios, o que é contrário ao objetivo do outro time, que precisa diminuir custos.

  • Objetivos específicos levam a uma visão de túnel – Ao ficar preso em um objetivo específicos o colaborador/time pode não enxergar outros meios.
Visão túnel
  • Objetivos específicos restringem o aprendizado e a criatividade – Objetivos específicos podem limitar a criatividade e o aprendizado deixando o colaborador desmotivado.

Chegamos ao final da parte 1 desse artigo. No próximo artigo, falaremos mais sobre liderança, focando em como oferecer significado aos objetivos.

Se gostou deixe seu comentário ou vá direto para a parte 2.